Home / Yung Buda / Yung Buda – The End Lyrics

Yung Buda – The End Lyrics

The End Lyrics – Yung Buda

E antes que acorde (Antes que acorde, yeah)
Vou te enforcar nos seus sonhos
Usando seus ossos pro trono
Te revivo e mato de novo
Lâminas sempre afiadas
Te deixa muito mais que marcas
Ouvindo passos da escada
Jovem com camisa verde e vermelha
Tira de giro e tampa a placa
Na sua mente vou fazer morada
Nem a polícia forense me acha
Veja o meu rosto na lâmina prata
Balas douradas com nomes gravados
Todos já nascem com destino prévio
De visão térmica acerto o alvo
Não nos compare, sangue jorrando
Mesmo no toque mantenho atirando
Fala que gosta, ‘tô acreditando
Você me pede já ‘tô enforcando
Pulo do penhasco, e me afogo
Mas antes disso, olha nos meus olhos
Diz que entende todo esse ódio
Mente de novo, que é assim que eu gosto

Eu trago cinco gemas raras
Morte na garrafa
E um pente barril igual MGS
Snake eater
Um molotov pra cada rajada
Bala, balaclava
Sempre bloodsport
Nunca cava falta
Quebrando sua perna só dou mais risada
Se foda esses fandom (De quem sou fã?)
Super Dangan Toppa Gurren Lagan
Net até trava, ping tá alto
Colete com placa, FF solta
Pesado igual King Kong, arte do Nopa
Rebola sem roupa, escutando som
SNK, Shingeki no Kyojin
Então eu trouxe uma…
Marca de 32, 32, 12
Arcádia, skimo, brick
Lean, dente
Não me leve a mal
Quero um patrocínio que enche de bala
Boca de lata vou desmontar o seu rosto com a faca
Então chupa seus filha da puta
É ódio então toma, segura minha peça
Sente o calor dessa porra na nuca
Croma cristal com cheiro de óleo
Nada faz mal com canhão na cintura
Acerta o alvo, ganha uma estrela
Borda vermelha no banco da cura
O borderline faz eu transcrever
Pode me chamar de [?]
Acumulei cicatriz no peso do ouro (Eu não falo mais)
Então vou esconder o meu rosto

Mas não se acostuma, quem sabe eu volto e levante da cova
Com umas minas novas, balaclava preta
Pente na jaqueta e sangue na bota (Sangue na bota)
Fodendo com a morte em cima da tumba
Essa puta me ama e sempre me visita
Toma dick, se disca primeiro
Morre e renasce, tudo a mema fita
Olho vermelho e fundo igual um morcego
Agora não é hora de sentir medo
Esse é meu jogo e tudo eu queimo
Bomba de fumaça, ‘tô me escondendo
Stealth, stealth visando a pilha
Pilota e atira aí da garupa
Explode essa porra, carbura, carbura
Afiando facas perfura, perfura
Mas não se acostuma, quem sabe eu volto e levante da cova
Com umas minas novas, balaclava preta
Pente na jaqueta e sangue na bota (Sangue na bota)
Fodendo com a morte em cima da tumba
Essa puta me ama e sempre me visita
Toma dick, se disca primeiro
Morre e renasce, tudo a mema fita
Olho vermelho e fundo igual um morcego
Agora não é hora de sentir medo
Esse é meu jogo e tudo eu queimo
Bomba de fumaça, ‘tô me escondendo
Destrava, destrava visando a pilha
Pilota e atira aí da garupa
Explode essa porra, carbura, carbura
Afiando facas perfura, perfura